<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d7876992\x26blogName\x3djoaoscottex\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://joaoscotex66.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://joaoscotex66.blogspot.com/\x26vt\x3d7900938790244365435', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

Reino dos Céus



Reino dos Céus
Título original: Kingdom of Heaven
De: Ridley Scott Com: Eva Green, Liam Neeson, Orlando Bloom
Género: Drama, Guerra, Romance
Classificacao: M/12
Estúdios: 20th Century Fox, filmado nos EUA/Marrocos, 2004.
Cores, 145 min.

Nem sem o que deva escrever sobre o filme que acabei de ver.
Vou começar pela assistência, porque não consigo mentalizar-me que as pessoas gastem tanto dinheiro, para fazer barulho com as pipocas, bebidas, falar, atender telemóvel?!... É incrível! Porque é que não ficam em casa?
Li esta semana que o decréscimo de espectadores nas salas de cinema, no 1º quarto do ano, atingiu o bonito número de 170.000!? Não me admiro nada.
Quanto ao filme, apesar da beleza estética apanágio de grandes produções, de que Ridley Scott é um dos melhores especialistas, resulta um bom filme de ficção, como filme histórico deixa muito adesejar.
Tenho que realçar, que a TV e o cinema são hoje um dos principais veículos de informação e de educação. Como tal, o Ridley Scott, não devia usar a história, para fazer analogias críticas, entre as cruzadas e "A Cruzada Bushiana" contra o Islão, que todos (ou quase) concordamos ser profudamente errada e de desenvolvimento errático.
Mas, a caracterização que é feita dos cruzados - os Templários como fundamentalistas bárbaros -, e os Sarracenos - cultos e respeitadores do "muticulturalismo" -, é no minímo para rir a a bandeiras despregadas. A dualidade de critérios na abordagem da caracterização dos personagens, é tão aberrante e descriminatória, que até o mais ateu dos obsevadores se revoltará.
Como exemplo e escola de virtudes - *****.
Talvez valha uma visita ao cinema, este tipo de filme perde muito com o visionamento caseiro. Se tiverem a sorte de não terem companhia pipoqueira e faladora, na sessão a que assistirem...
« Home | Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »